sábado, 14 de janeiro de 2012

Um exemplo, V for Vendetta.



       Um grito de liberdade contra inúmeros gritos de repressão. Um único sobrevivente que tem sede por vingança com as próprias mãos. O mascarado que não se orgulha por ter se tornado um revolucionário frio, que quer o bem de toda uma população européia, mas não consegue encontrar o seu próprio bem. Alguém que tornou-se calculista, em razão de uma corja de governantes deste país. Um Reino Unido que é exaltado atualmente, porém onde não é questionada a via para conseguirem tal êxito. Inocentes morrendo em guerras, nas mãos de um exército inescrupuloso que alega estar trazendo o progresso para os países invadidos. Um regime militar ficcional que oprime, usa e abusa do autoritarismo para se chegar a um fim comum: o poder. Poder de escolha, o qual é tirado dos homossexuais e concedido a racistas, que prendem, torturam. Famílias são destruídas em prol de uma violência inigualável, causada por uma orientação sexual não vigente na época. É esse poder, que move o mundo. Um poder de desconhecimento, de pré-julgamentos, sem bases ou ideais. Vozes que são abafadas na garganta, olhares que são perdidos por socos. Mas nem tudo está acabado, as esperanças se renovam, quando surge entre tantas pessoas, uma única, que defende e luta por mudanças. 
        V se empenha em mostrar, a todos, a verdade sobre a política. As falcatruas, roubos, patologias e desculpas esfarrapadas, encontradas por meliantes para se esquivarem de certas culpas. Meliantes que são o reflexo da maldade, governantes covardes que tem medo de se olharem no espelho.
        Um homem com desejo insaciável de mudar o mundo. Um solitário que tem o gosto de liberdade entre os lábios e aprende as mais numerosas artimanhas para remediar os agressores com seus próprios venenos. As chamas que aprisionaram o mascarado naquele incêndio, hoje queimam por dentro de seu ser. Uma chama que se torna luz, ao encontrar o amor inesperado em seu caminho. Será mesmo a  prova daquela frase ‘O amor vence tudo’? Penso que sim. Evey renasceu para a vida e V renasceu para o amor. Juntos são invencíveis. Com coragem e veemência, assistem à queda da sede dos bandidos. A morte de V simboliza o início de uma nova era, uma era de paz, onde muitos, estarão combatendo atrocidades e comemorando a vitória.  


Post dedicado ao meu amigo Léo Ribeiro. Não gostei muito, mas promessa é dívida. Quero ver o seu agora, neguinho.

10 comentários:

  1. É verdade, querendo ou não, quando existe uma grande luta contra qualquer coisa, o resultado final não é tão importante quanto o grito contra a repressão;
    O que importa é lutar pelo que realmente acreditamos...
    Foda-se tudo e a todos...

    ResponderExcluir
  2. Ainda não conheço a Grafic Novel, mas sou um fã confesso do filme, gosto do contexto no qual a trama fora inserida e das motivações do personagem principal, que virou até simbolo de resistência nos protesto contra a situação econômica nos EUA e nas ações diretas da "primavera árabe"...

    http://sublimeirrealidade.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito do blog, do estilo, do jeito de escrever, tudo ! Parabéns...

    Diogopensamentos.blogspot.com

    Seguindo!

    ResponderExcluir
  4. Toda forma de expressão tem que se manifestar e lutar pela sua liberdade.

    ResponderExcluir
  5. até que achei o texto bom!

    http://rocknrollpost.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Nunca aceitaram o grito a repressão. Ser polêmico e reivindicar sua liberdade virou sinonimo de ''baderna''. Mais se nao fossem as lutas, como a sociedade vai para a frente.

    Bom texto, passa lá tem uma mega novidades aos leitores.
    www.spiderwebs.tk

    ResponderExcluir
  7. gostei do texto B,
    forte e intenso.

    atenciosamente Tomas J.
    http://sobretomasj.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  8. As lutas coletivas começam sempre com a garra de cada individuo, a unidade q faz o td.

    ResponderExcluir