quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Superficialidade.


Pessoas rasas,
perdem suas asas.
Pelo medo de voar,
permanecem no mesmo lugar.

Cheias de superficialidade,
abusam da comodidade.
Não sentem de verdade,
mentem, na realidade.

Contrariam a profundidade,
negam a personalidade.
Recusam mergulhos fundos,
vivem perdidas no mundo.

Lançadas na vida,
não obtêm feridas.
Enraizadas na sorte,
aguardam a própria morte.

Emoções quase inexistentes,
o vazio sempre latente,
a falta de coragem,
e o caminho à margem.