sábado, 18 de fevereiro de 2012

Escolhas.


      Nossa, sinto como se fosse escrever pela primeira vez. O que é a prática, não é mesmo? E pensar que eu vou ficar longe do blog, por um tempo. Bem, vou explicar meus motivos, nesse post. Afinal devo uma satisfação aos meus leitores.
      O ano de 2011 foi longo demais, ao meu ver. Eu entrei de cabeça, de corpo e de todo o resto com ganas para estudar. Eu sabia que era um ano decisivo. Não só pra mim, quero dizer, mas para aqueles que amo. Sim, eu sempre vi no estudo uma possibilidade de orgulhar meus pais, de dar uma vida melhor pra eles, quando eu puder. Portanto, visei uma Federal.
      Estava no melhor colégio da cidade e que por ironia, eu odiava. E eu tinha que agüentar. As pressões, lavagens cerebrais, prisões, as cobranças e afins. Estudei 3 anos lá e cada ano que se passava eu tinha mais vontade de sair. Era uma agonia tremenda, chegar em um local, onde vc é diferente dos outros, onde seus princípios são rotulados como ‘estranhos’. Era um local, em que de fato eu não me sentia inserida.
      E então, chegava do colégio, almoçava, dormia alguns minutos, porque não sou de ferro e trancava-me no quarto para estudar. Foram assim os dias do meu ano letivo, o terceirão.
      Afastei-me dos meus amigos, saía raramente, não conversava com quase ninguém e não tinha feriados, ou descanso. Meus colegas achavam que eu iria enlouquecer, mas tudo bem, eu não me importava, se conseguisse a minha meta.
      Pois bem, desde que escolhi Psicologia (em 2008), as pessoas vêm tentando tirar essa idéia da minha mente. Dizem que o salário é ruim. É claro que eu penso no dinheiro e tenho noção de que ganha-se pouco, porém a minha realização profissional também é importante, não acham? E assim, eu tive que enfrentar bastante, as conversas contrárias ao meu sonho. Pela primeira vez, em contradisse uma vontade da maioria. Não me deixei levar e segui firme.
     Prestei na Federal, pra Psicologia. Passei na primeira fase, o que já foi uma grande vitória pra mim. A concorrência era enorme e eu fiquei entre os selecionados. Na segunda fase, me vi derrubada. Derrubada por uma única matéria, que sempre estava no meu pé, me proporcionando tropeços. A maldita Matemática! Saber que não passei por causa de uma matéria que eu estudava dia e noite e não consegui aprender, me deixa frustrada. E muito. Sinto que fiquei em débito, com aqueles que mereciam e esperavam mais de mim.
     Foi como se todo o meu esforço, tivesse parado ali. Eu chorei muito, me baqueei ainda mais. Mas enfim, acabei sendo aprovada na Estadual da minha cidade, pra Farmácia. Um curso que não tenho muitas afinidades e que não me vejo nele. Contudo, o que fazer? O que fazer, quando se ouve o choro da sua mãe no telefone, anunciando que vc passou. Vou simplesmente dizer, ‘não vou tentar mãe, pq não quero’. De frustração já basta a minha. Eu prefiro eu estar assim, do que minha família. Ela sempre fez tudo por mim e eu não podia negar-lhe um sorriso. Assim, no dia seguinte fiz a matrícula.
     Passaram-se uns dias e saiu o resultado da particular. Havia ganhado bolsa. Vi minha mãe lutar por mim, como ela sempre fez. Foi lá, tentou incansavelmente, que eu realizasse meu sonho, pois o dela, já havia se realizado. E assim foi. Matriculei-me em Psicologia Noturno, enquanto Farmácia é integral.
     Sou louca não? Quando digo que vou fazer duas faculdades, já me chamam desta maneira. E eu sei que estão certos. Sei que não vou conseguir, afinal sou humana e tenho meus limites. Mas quer saber de uma coisa? Estou dando minha cara a tapa, quero pagar pra ver. Estou arriscando, até demais.
     Se eu não conseguir, o que eu acho que será evidente, trancarei uma e ficarei só na outra. No entanto, pelo menos, terei garantias. Farmacêutico é uma profissão renomada no nosso interior e é o ‘point’ da cidade.
     Estou vendo a meta da Federal, cada vez mais distante. Não terei tempo de estudar e se antes com estudo eu não consegui, agora então, nem tenho dúvidas.
     E por isso, preciso desativar o blog. E peço perdão à vcs, pois não terei tempo. Apenas esperem, minha volta, cheia de novidades. E não esqueçam de meus textos. Agradeço esse tempo que passaram comigo. Eu cresci muito e aprendi demais aqui. Obrigada.


3 comentários:

  1. Psiu...o que é isso?Não mesmo,tristeza nunca e nunca mesmo...quem disse que psicologia é fácil?Não é,tem a concorrência baixa e se você não passou nesta,com tanta perseverança que você tem,irá aprender a matemática e mudar essa história...
    http://escritordebrinquedo.blogspot.com/2012/02/desiludida-da-nova-esperanca.html

    ResponderExcluir
  2. gata, não desativa não, só deixa desatualizado e escreve algo quando tiver hora vaga. :)

    ResponderExcluir
  3. Quando olha pra tua mãe se ve que ela tem muito orgulho de ti, não se culpe por tentar demais pois sei que tal tentativa não levará a nenhum erro, vc sabe q minha praga pega. Sabe que rezo pra que tudo corra bem na sua vida e para que seja feliz e sei como sempre soubo que irá conseguir.

    ResponderExcluir