domingo, 26 de janeiro de 2014

Nó(s)


Olho fundo,
de quem perdeu-se no mundo.
Um sorriso de candura,
transformado em total amargura.
O sonho de uma vida segura,
e a lembrança que me tortura.
Relembrando a doce ilusão,
de quando ainda existia emoção.
Agora estou só,
em um caminho cheio de nó(s).

10 comentários:

  1. É o tipo de nó(s) que precisa de tempo para se desfazer... e se refazer, quem sabe com um novo fazedor de sorrisos. Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto quando você escreve poesia. :D

    ResponderExcluir
  3. Olá B., aqui estou eu novamente depois de um tempão fora do "ar"... e aqui (re)visitando alguns dos blogs que sempre costumava ler, encontro este poema e por alguns instantes me lembro do dissabor que é viver e ver o nosso castelo inteiro de sonhos e planos sendos desfeitos... obra da vida, do destino, ou do amanhã que pode estar nos reservando algo melhor (será mesmo?). "O sonho de uma vida segura...". Quem nos dera se a vida fosse feita de tantas garantias, de tantos acertos. "Sim, é ela!" É uma forma de exposição que requer coragem e personalidade. Obrigado por compartilhar! Sorte!!

    ResponderExcluir
  4. Gostei das rimas. O poema nos leva a refletir, tem uma boa mensagem.

    Bjuss

    ResponderExcluir
  5. Pra variar um pouco, rolou uma identificação. Maravilhoso.

    Beijos.
    www.dilemascotidianos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Verdade, poemas me faz pensar um pouco..
    To precisando desatar os nós, para da certo o nós. aiai



    kisu
    www.eraoutravez.com

    ResponderExcluir
  7. O que seria da nossa própria vida sem nós?

    ResponderExcluir
  8. Eu não sou fã de poesia, mas essa ficou tão linda e tão meiga que eu adorei!

    Era Outra vez Amor

    ResponderExcluir
  9. E quantos nós tem a vida....parabéns lindo escrito.

    ResponderExcluir