sábado, 17 de agosto de 2013

[Parte 2] Felinópolis.

 

      Na quinta pela manhã, Jéssica procurou seu gato pela casa inteira, mas não o achou.  Uniu-se aos meninos, com lágrimas nos olhos. Contou-lhes o ocorrido e perguntou-lhes se alguém sabia do paradeiro. Ninguém tinha informações.
      Chateada, contudo, esperançosa, Jéssica chegou em sua casa, na expectativa de encontra-lo. Porém, frustrou-se.
      Os dias se seguiram e Jéssica permanecia trancada no quarto. Não conversava com seus amigos. Mas, o que Jéssica não sabia, era que Pedro e Márcio, estavam na mesma situação que ela. Seus gatos também haviam desaparecido.
      Lívia, temerosa em perder seu gato, convocou uma reunião com a turma. Disse-lhes que havia algo errado e que o desaparecimento dos gatos poderia ter uma relação com a casa branca.
      Foram na delegacia da cidade e convocaram o delegado. Contaram-lhe a história. O delegado Herman estranhou, pois já havia se deparado com estas informações antes. Decidiu ir até a casa, na noite seguinte.
      Ao anoitecer, Mr. Herman partiu para sua missão. Visualizou pela janela, peles de gato penduradas na parede. Logo, descobriu o crime.
      Invadiu a casa e prendeu-os. Doutor Jhonatan era um veterinário maluco que há muito tempo estava sendo procurado pela polícia. Ele realizava experimentos em animais vivos e depois retirava a pele, para comercializar. Sua assistente, Fabiana, era na verdade uma prisioneira. Os dois namoraram por algum tempo e quando a mulher descobriu o que Jhonatan fazia, quis separar-se dele. No entanto, o psicopata não permitiu e fê-la de escrava. O grito daquela noite era dela. Jhonatan obrigou-a a assistir seu show de horrores, a fim de tortura-la.
      Embora bastante entristecida, a turma de Lívia ficou reconhecida em toda Felinópolis, por ter auxiliado a desvendar o mistério dos gatos.
       No fim, Jhonatan foi preso, Fabiana libertada e as crianças receberam novos gatos de presente do Mr. Herman. Houve tempo, de participarem da corrida, na qual, o recente companheiro de Jéssica, levou a vitória.

5 comentários:

  1. B, uma mente doentia não tem limite. A expectativa criada no capítulo anterior foi um atrativo para essa parte e bem desvendado. Bjos.

    ResponderExcluir
  2. Esse seu conto de temática policial tem um viés infantil, sabe? Como uma história de suspensa feita especialmente para crianças. Contudo, não me leve a mal quando lhe digo isso! O conteúdo é muito original e sua escrita, impecável, como sempre! (=

    Beijos =*

    http://alacazaam.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ahh, já acabou? Confesso que achei que essa seria maior que a anterior. Você conseguiu fazer uma ótima curta história. Ficou bem legal mesmo.

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  4. Gostei da história também. Achei um pouco curta, mas gostei muito.

    B. sabes que te leio muito, né? Recebi um selo de presente e gostaria de compartilhá-lo com você, se quiser: http://infinitaliberdade.blogspot.com.br/2013/08/selo-amigos-de-inverno.html

    Beijos, Tamires.

    ResponderExcluir
  5. Devo confessar que não gosto muito de gatos, mas não faço maldades e os mantenho longe dos meus cachorros, se não viram picadinho.
    Gostei do final.
    E como está no Japão?
    Bj

    ResponderExcluir