quarta-feira, 5 de junho de 2013

Vamos nos permitir!


    E quantas vezes mais eu terei que ouvir “você merece ser feliz”, sem que ninguém esteja disposto a tentar comigo? Até quando eu ouvirei “não quero te magoar” como desculpa para os receios alheios?
    Nunca me importei com a questão de namorar, até porque, minha personalidade é extremamente complicada de lidar. Pensei por muito tempo, que a solução para todos os meus problemas, seria ser feliz sozinha, sem ninguém. Acreditava que a minha auto-suficiência, seria a chave para a felicidade.
    Contudo, como uma metamorfose ambulante que sou, acabei mudando minha opinião sobre tal assunto. Acredito não ter percebido no auge da minha adolescência, que os conflitos interiores eram originados de um vazio próprio. Vazio que mais tarde, descobri, ser relacionado ao ‘não-amor’.
    Não-amor, não-amar, é assim que vejo meus dias. Não é por falta de arriscar, nem mesmo de correr atrás. Às vezes torna-se incompreensível. Eu só quero ter a chance de experienciar como é ter alguém ao meu lado, pelo menos uma vez. Afinal, temos que experimentar de tudo nessa vida (ou quase tudo).
    Preciso saber como é ter um relacionamento. Sinto que chegou a minha hora, no ápice dos meus 18 anos. Porém, o que me desanima é saber que eu conheço novas pessoas, me envolvo com elas, mas nenhuma, aceita tentar algo sério.
    E aí eu vejo, que na maioria dos casos, é o medo que impede tudo. E aí eu penso que no passado, fui assim, mas que agora quero recuperar o tempo perdido. Necessita-se arriscar, tentar e por fim, viver. Viver de forma intensa e única.
    Enquanto sigo com o meu dilema e a minha procura (que parece interminável), deixo aqui a minha mensagem para vocês, caros leitores. Vivam, apenas vivam! E como diz aquela música do grande Lulu Santos “vamos viver tudo o que há pra viver, vamos nos permitir”.

4 comentários:

  1. B., o q te aflige, não aflige devido a sua juventude. Em qq idade, as pessoas fogem de compromissos sérios. Medo? Não. Creio q mtos valores foram perdidos e sem saber em q se espelhar, seguimos tentando construir um novo modelo, assim, perdidos, vamos nos frustando e esquecendo de viver a vida, melhor, se permiti viver. Bjos.

    ResponderExcluir
  2. Bah, me identifiquei profundamente com cada palavra, B.

    Sei que isso pode parecer um tanto egoísta, mas de alguma forma, me reconforta um pouco saber que há outras pessoas sentindo, pensando e vivendo coisas absolutamente correspodentnes com o que sinto, com o que penso e com o que vivo.

    Um grande beijo.
    www.dilemascotidianos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Sei como é B. E quando aparecer a oportunidade de viver, nem que seja um momento, ao lado de alguém, sempre sem expectativas (grande vilã) também permita-se. Você escreve de forma bem acochegante, bacana.

    Abraços,

    Diego
    http://leaodegaza.blogspot.com.br/2013/05/a-grade.html

    ResponderExcluir
  4. Parece comigo. Nao pense faca. Nao imagine o futuro viva o presente. Pois a oportunidade se cria em meio de um desejo e uma vontade oculta sua. Nunca busque nada pois a felicidade so vem quando menos esperamos.

    ResponderExcluir