sábado, 29 de junho de 2013

[Parte 2] O mistério da vizinhança.

 
     A garota buscou uma maçã na cozinha e sentou-se no sofá. Gesticulou com o indicador para o vizinho mais velho. Ele saiu. Após 5 minutos, voltou com uma caixa de ferramentas na mão. Pegou o serrote que estava à mostra e iniciou um corte em minha perna. Gritei de dor. Terminado o corte, pensei que eles me deixariam em paz. Mas não, aquilo foi só o começo da minha tortura.
     Posteriormente, o vizinho mais robusto retirou uma faca da caixa. Meus olhos se arregalaram. Tentei gritar por ajuda, mas nenhum som saía das minhas cordas vocais. Engoli seco. Comecei a chorar, na tentativa que ele parasse. Ele olhou pra garota, com piedade, contudo, ela mordeu a maçã e balançou a cabeça positivamente. Enquanto o robusto cravava a faca em meu abdômen, a menina soltou um riso perverso e macabro.
Não aguentava mais a agonia. Aquela altura, meu físico e a minha alma clamavam pela morte.
     Esperava pelo próximo golpe, esperava que fosse o último e que eu pudesse subir a outra dimensão, em um lugar melhor.
    O vizinho jovem e franzino pegou uma chave de fenda para perfurar o corte feito pela faca. Percebi que ele suava e estava nervoso. Aproximou-se, mas hesitou por um momento. Devido à pressão da garota, o jovem decidiu realizar sua tarefa. Fechei os olhos, esperando que me perfurasse. Mas não senti nada em meu corpo. Abri-os e o mirei a minha frente. Foi então que entendi o que havia acontecido. Ele me poupara de mais dores, porém a menina acreditou que o franzino tinha perfurado.
    Uma ponta de esperança surgiu em meu interior.
    Em seguida, me desamarraram da cadeira e meu corpo cedeu. Ia despencar pelo tablado de madeira, quando os dois homens, novamente me seguraram. Conduziram-me aos trancos até um veículo preto importado.
    O mais velho assumiu o volante e a garota situou-se ao seu lado. Atrás, estava eu e os dois outros vizinhos que me vigiavam a todo momento, embora eu não tivesse forças para uma tentativa de fuga.
    Enquanto fazíamos um trajeto desconhecido, mirei o meu relógio de pulso quebrado. Eram 18h, meus pais chegariam em casa a qualquer momento, sentiriam minha falta, ligariam para a polícia e logo eu estaria a salvo. Neste momento, um soluço emergia de minha garganta.

9 comentários:

  1. Tensão do início ao fim, B. Uma pergunta, vc anda assistindo mto Quentin Tarantino? Senti o sangue escorrendo pela tela. Bjos e boa semana.

    ResponderExcluir
  2. Nossaa que terror. Adorei esse post, super trágico e cheio de tensão. kkk Bom, queria avisar que depois de tanto tempo com o meu blog desativado eu voltei a postar e visitar todos os blogs. Beijooos. http://bloguinhodaspatricinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. B.
    Que sangueira rss.
    Ansioso para ver a próxima parte.

    Tu deste uma sumida lá do H. E. e O. P.
    Volta lá...

    ResponderExcluir
  4. Cheguei o blog já com o segundo capítulo publicado. Portanto também li e comentei no primeiro rs
    Quero saber o motivo! Adorei a temática do conto!

    ResponderExcluir
  5. Wow! Muito tenso o texto, porém, manteve o suspense do início ao fim. À espera da próxima parte.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Meu Deus, você escreve muito bem! A estória é bastante densa e sangrenta, mas estou curiosa para conferir o decorrer dela. Espero que a garota se salve )=


    Beijos =*

    ResponderExcluir
  7. Você ta me despertando o interesse por essas histórias. rs
    Da pelo menos pra dizer em quantas partes são? rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São 4 partes, Jê. Lanço uma parte a cada Sábado.

      Excluir
  8. Eita, nóis, B.! Que do mal isso... que que essa menina fez para esse pessoal? o.o
    Quero só ver no que vai dar isso...

    Beijos!

    ResponderExcluir