quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Dilema.



Em meio à dicotomia,
ouço aquela melodia.
   Velhas lembranças voam,
        à medida que as notas soam.

Ora te quero perto,
    embora não seja certo.
   Ora te quero distante,
 do meu ser pensante.

Abandonando a felicidade,
concretizo a instabilidade,
como alguém que se apaixona,
e a incerteza aprisiona.

Em lados contrários,
sujeitos a critérios não arbitrários,
seguimos neste dilema,
sem solução para o problema.

8 comentários:

  1. E assim nada é decidido e continuamos empacados no mesmo lugar. ;P

    ResponderExcluir
  2. Se não decidimos, é pq não sabemos e não saber é estar condenada a dar um passo errado independente da escolha. Bjos.

    ResponderExcluir
  3. As dualidades estão presentes em todos os meios.
    Ótimos versos.

    ResponderExcluir
  4. Retribuindo a visita!

    Belíssimo texto, B. Muito inspirado.

    Estou seguindo o blog!

    Beijos.
    www.dilemascotidianos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. ooi menine
    você já pensou em fazer intercambio?
    gosta de viajar?
    ou simplesmente de saber sobre outras culturas?
    então você tem que visitar o Martina nas Viagens: www.martinanasviagens.blogspot.com
    lá eu conto as minhas experiencias, algumas curiosidades, faço minhas criticas e coloco fotos das minhas viagens pela Europa.
    desculpe o incomodo, sei que muita gente odeia comentários-divulgação... mas esse é o unico jeito que consigo divulgar o meu blog :\
    bjs

    ResponderExcluir
  6. Simplesmente perfeito!
    me identifiquei muito com seus versos.
    Você tem talento.

    errosxacertos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. Man, perfeito! Podia chamar "Antítese" também. Estou no meio de uma coisa assim, triste. O governo devia te pagar um salário para "licença poética", só digo isso. Beijo.

    ResponderExcluir