domingo, 28 de outubro de 2012

Acorrentados.



  Ao longo de nossa existência, construímos laços com o próximo e precisamos do mesmo para sobreviver. O homem não vive inteiramente sozinho, pois se assim fosse, não faria parte deste tal mundo macabro.
  Pensando sobre esta cadeia de inter-relações, concluo que somos elos de uma corrente. Uma corrente que embora devesse ser inquebrantável, pois um elo está ligado ao outro, persiste em se separar. Promessas são desfeitas no silêncio. Pessoas se vão, sem explicação. Amores eternos tornam-se efêmeros. Palavras ditas são levadas pelo vento. Sentimentos são perdidos. E tudo fica inacabado.
  Aqueles elos quebrados se esvairão e toda a corrente estará destinada ao ônus dos mesmos. A corrente não se constituirá como da primeira vez, e então nada será como antes.
  A fim de substituir os elos anteriores, novas alianças são feitas e consequentemente outras correntes se formam. Algumas permanecem por anos, outras se desfazem no primeiro obstáculo.
  Somos ligados e desligados uns dos outros sem ao menos conseguir um tempo para nos recompor. O encontro com o próximo é banal. O discurso com o próximo não é assimilado da maneira correta. Os gestos e atitudes são valores momentâneos.
  A forma perecível do homem está falando mais alto. Será que devemos nos acostumar com o passageiro? A efemeridade nos leva ao comodismo e este desencadeia à nossa superficialidade. As correntes perdem sua intensidade, sua sensibilidade.
  O duradouro parece inalcançável e por mais que desejemos agarrá-lo, ele insiste em fugir de nossas mãos. Dependemos do outro. Nenhum relacionamento se faz, através de uma única parte. Pela primeira vez, obrigam-nos a esquecer o egoísmo e respeitar o querer alheio.
 Estamos destinados a um mesmo ciclo, onde não podemos escolher qual elo permanece e qual se quebra. Contudo, é preciso encarar essas idas e vindas de cabeça erguida, para que no fim, aqueles que ficaram, façam valer a pena.

12 comentários:

  1. É uma pena que alguns elos se desfaçam, mas faz parte do processo de construir laços.

    ResponderExcluir
  2. Aii que lindo. É difícil encontrar um texto que defina tão perfeitamente a vida. Hoje em dia as relações com o outro são quebradas por tão pouco.
    Beijos Flor

    ResponderExcluir
  3. B., a velocidade nos é imposta, ou melhor dizendo, é aceito por todos nós e devido a isso, as alianças são temporárias; somente aqueles que valorizam a amizade faz dos elos algo duradouro. Bjos e uma boa semana.

    ResponderExcluir
  4. É exatamente isso! A gente DEVE se acostumar com o passageiro, até porque não há outra realidade. Infelizmente. :/

    ResponderExcluir
  5. Uma característica das relações inter-pessoais atuais que me chama atenção: Sempre depende do outro. Se você briga com alguém, ele que venha atrás... Se alguém se foi, que vá, não vou atrás. Se você compartilha um sentimento recíproco, o outro que tome a inciativa. Mas nunca param pra pensar que o outro sempre vai esperar que a atitude venha de você. Pedir perdão é sinônimo de fraqueza e humildade de idiotismo... Será que nos tornamos tão mecânicos, frios e padronizados como as máquinas que construímos ao longo do tempo? Não me admira que, se há vida inteligente extraterrestre, ela não tenha tentado contato com os habitantes da Terra. Ou será que tentaram, mas não foram ouvidos?

    ResponderExcluir
  6. O ser humano é um bicho social, que não consegue viver na intensa solidão, é como se a todo momento precisássemos de um apoio. Todavia, existem exceções que cresceram na solidão, mas essas exceções se chamam nada mais, nada menos que Einstein, Bethoven, Freud e nomes do tipo. No mais, reles mortais precisam de um desafogo com um outro ser carnal.
    Eu estava pensando comigo, será que conseguimos realmente definir o que é amor? Será que se não foi totalmente recíproco podemos considerar amor? Eu espero de coração que não, espero de verdade, que no meu caso, tudo não tenha passado de uma paixão, ou melhor (pior,é claro), uma grande obsessão.
    Tudo muda nessa vida, somos seres mutáveis, alguns mais cabeças duras como eu, outros mais suscetíveis à mudanças. No quesito de amizade, infelizmente existem amigos de verdade e os colegas esporádicos, que só ficam ao seu lado quando precisam de algo, ou em determinada ocasião.
    Amigos de verdade são aqueles que vão estar ao seu lado não importa onde, como e porquê. São aqueles que te apoiam em tudo, mesmo nas maiores tolices.
    Certa vez eu ouvi que sábio é aquele que consegue dar valor no que o outro fala, e essa frase pra mim é de uma excelência incrível, e me fez pensar, em quantas vezes não valorizei o que o próximo queria expressar? Por quantas vezes, eu estava pensando no que falar antes do outro acabar a frase?
    Infelizmente, eu ao menos, acabo sendo arrogante, e não respeitando a opinião alheia, e isso é um quesito que venho tentando evoluir.
    Mas enfim, adorei o texto como sempre Bia!

    Beijaoooo

    ResponderExcluir
  7. Que texto incrível, adorei! *-*
    Você escreve muito bem, está de parabéns.
    "A efemeridade nos leva ao comodismo e este desencadeia à nossa superficialidade." eu estava precisando ouvir essa frase :)

    annadecassia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Maravilha de texto, vdd estamos todos ligados ao mesmo ciclo..gostei demais do final.

    ResponderExcluir
  9. Todos somos conectados. Muitas vezes sentimos uma conexão mais forte com uma pessoa ou outra, mas, todos recebemos e compartilhamos energia pois somos todos elos dessa corrente mista.
    Amei esse texto, guria. Sério. Tenho pensado muito nisso ultimamente e faz todo o sentido. *-*
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Olá, estou passando para divulgar meu blog, estou seguindo o seu, siga o meu de volta. Volto pra ler seu blog, prometo.

    http://ameninaquesacudiapalavras.blogspot.com.br/

    Um beijo ;)

    ResponderExcluir
  11. Gostei bastante do texto. Principalmente dessa passagem aqui ''A fim de substituir os elos anteriores, novas alianças são feitas e consequentemente outras correntes se formam. Algumas permanecem por anos, outras se desfazem no primeiro obstáculo.''
    Muitas vezes até por causa da nossa rotina que ao longo dos anos começa a mudar, desfazemos laços e criamos outros. Assim, como você disse, vira um ciclo. E muitos laços fracos são formados, fica difícil saber qual realmente não arrebentará no primeiro obstáculo que enfrentar. Apesar de boa parte disso ser ruim, quando passamos por algum obstáculo com alguém e essa relação não fica abalada, o laço não se desfaz, é gratificante, emocionante.
    Um beijo, @pequenatiss.

    ResponderExcluir
  12. Que texto lindo!
    Tomara que não precisemos nos acostumar com o passageiro :( Temos que lutar até o fim pelo duradouro *-* Amei sua frase final: "para que no fim, aqueles que ficaram, façam valer a pena."

    Amiga, estou seguindo!
    Se puder retribuir ficarei muito feliz :D

    Beijos
    http://livrosebatons.blogspot.com.br

    ResponderExcluir