sábado, 8 de março de 2014

[Parte 1] Luna


     Embrenhou-se na floresta, enquanto procurava dissipar os pensamentos que insistiam em leva-lo ao sofrimento daquele primeiro amor. Anderson deixava-se guiar pelo vento que soprava em seu rosto e arrepiava seus pelos. Queria voar para longe dali.
     Em meio ao rio de lágrimas que descia por sua face rubra, o jovem de 20 anos dava passos largos para se distanciar e fugir de tudo. Acreditava que assim poderia, finalmente, deixar a sobrevida para trás e apenas viver de verdade.
     Repentinamente, uma luz vermelha surgiu à sua vista. Temeroso, Anderson aproximou-se aos poucos, movido pela sua curiosidade. Escondeu-se atrás de um arbusto e percebeu uma mulher incrivelmente linda, de cabelos ruivos esvoaçantes e olhos brilhosos.
     Ela estava sorrindo, com uma postura vitoriosa e, acima de tudo, cercada de mistério. Anderson não pôde se conter, moveu-se em direção àquela mulher de beleza descomunal. Tentou cumprimenta-la, primeiramente, mas ela se assustou. Fuzilou-o com aqueles olhos negros e perguntou:  
     - Quem é você? E o que está fazendo na minha floresta?
     - Desculpe, apenas precisava fugir um pouco da minha realidade. Andava pelas ruas sem destino e encontrei esta floresta como um bom refúgio. Acho que acabei adentrando demais por entre as árvores – disse Anderson, meio sem jeito.
     - Há muito tempo não encontrava ninguém por aqui... E é estranho você ter encontrado o meu lugar. Consigo me esconder de todos, há anos, sem que ninguém ao menos tenha vindo me investigar – a mulher cerrou o cenho e fechou os punhos.
     - Você vive aqui? – perguntou Anderson meio pensativo.
     - Sim. Tem algum problema rapaz? – disse ela asperamente.
     - Não, nenhum – prosseguiu Anderson. Como se chama, garota dos cabelos vermelhos?
     A garota quis esconder aquele pequeno sorriso que despontava do seu rosto e tentava manter-se irredutível. Contudo, não conseguiu por muito tempo. Respondeu-o em tom amigável:
     - Luna. E o seu cavalheiro da noite?
     - Meu nome é Anderson. Posso passar algumas horas aqui conversando com você?
     Luna refletiu por uns minutos e, por fim, assentiu com a cabeça.
     Passaram uma noite agradável, juntos. Viram o amanhecer e selaram o momento com um beijo avassalador, o qual pulsava em ambos.
     Porém, após o beijo, Luna mirou Anderson e, com desprezo, pediu-o para ir embora. Sem entender, o jovem apenas retirou-se como a sua garota de cabelos vermelhos lhe pedia, mas disse que voltaria.

3 comentários:

  1. E quem entende as mulheres?

    Querida tá sumidinha lá do blogue. O H. E. e O. P. está com saudades de ti.

    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Ah me identifiquei!
    Você escreve muito bem.
    Seguindo

    ResponderExcluir