sábado, 12 de janeiro de 2013

O que somos senão a nossa essência de ser?


"Em tempos de ditadura da beleza, o corpo é massacrado pela indústria e pelo comércio, que vivem da nossa insegurança." 
                                                                          Paulo Moreira Leite

    O conceito de beleza é bastante abstrato para que possa ser devidamente definido  de acordo com as regras sociais. É um conceito criado pelo próprio homem, o qual, para se obter lucro de tudo e todos, estabelece uma ditadura neste aspecto. É evidente que a maioria dos cidadãos detentores de poder, criaram parâmetros físicos, para que nós, os consumistas alienados, possamos correr sempre atrás do que nos leva a sermos bem vistos pelo próximo. É uma questão totalmente capitalista. O que me intriga mais, é o fato de ninguém, ou melhor quase ninguém, observar tal problema. Enquanto o dinheiro está transbordando no bolso das grandes lojas, cirurgiões, salões de beleza, estamos nos preocupando em fazer o que querem que façamos, em ser como eles desejam. 
     Em meio a este paradoxo, eu me pergunto: Por que o significado de ser "bonito" tornou-se tão simples aos olhos de terceiros? Ser bonito, aliás, ter beleza, está muito além do que ter um corpinho sarado, olhos verdes e cabelos louros. Ter beleza implica o fato de sermos ou não responsáveis por cultivar a nossa essência da melhor forma possível. E essa essência fica ainda mais linda, a medida que encontramos no outro, um sorriso provocado por nossos atos ou palavras.
     Mas quem é que pensa desta maneira? Quem é que vê a beleza real? Quem é que olha o ser humano por sua personalidade e não por seu estereótipo? 
  Mesmo que nos esforcemos, o que é físico acaba nos dominando. No tempo contemporâneo, vivemos de acordo com a aparência, julgamos o ser humano pelo que ele é por fora e muitas vezes desconsideramos o que este é por dentro. Não existe liberdade quanto a isso. Não somos livres pra escolher repararmos somente no interior de alguém, pois a sociedade, desde seus primórdios, nos impôs o que podemos ou não reparar.
  Sim, a beleza física é importante, mas afirmo que a personalidade de um ser, é infinitamente bela e complexa.
    As vezes, penso no mundo como está hoje, onde vemos gente vendendo seu corpo por milhões de dólares; gente que sai beijando 10 em um balada, sem saber quem está beijando de fato, pois leva em conta só o exterior; gente que tem vergonha de apresentar seu namorado(a) pros amigos, devido à aparência do mesmo(a); gente que é contratada por uma empresa, por conta de sua 'boa forma física'. 
   Penso que a sociedade deveria enxergar as pessoas segundo a sua essência, pois somos como as frutas, que perdem a casca para evidenciar o gosto de sua polpa.

12 comentários:

  1. Olá B.
    Uma perfeita reflexão. A sociedade capitalista impõe e nós seguimos esses padrões sem questionar. Estamos sendo robotizados pela mídia e nem nos damos conta. Quando acordarmos poderá ser tarde demais. Precisamos refletir e ver que a beleza reside no eu interior e nos estereótipos robotizados que existem aos milhares por aí. Um ótimo final de semana. Beijinhos.
    Gracita

    ResponderExcluir
  2. Verdade. A censura da sociedade para pessoas fora do padrão, seja de beleza como para qualquer outro aspecto, é velada porém massacrante.

    ResponderExcluir
  3. "A censura da sociedade para pessoas fora do padrão, seja de beleza como para qualquer outro aspecto, é velada porém massacrante."

    A Lara disse tudo e, quando agimos de modo diferente, nem sempre parece que é bom ser "diferente". O que é contraditório, pois todos afirmam querer ser autênticos e com personalidade.

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

    ResponderExcluir
  4. Então, como você mesma disse: desde os primórdios da humanidade, os "grandes" nos dizem o que devemos ou não devemos observar, o que devemos ou não devemos ser ou dizer. O que eu mais acho graça nisso tudo é o fato de como o tempo muda esses parâmetros. Nos anos 40/50 o mais admirável eram mulheres, que hoje, seriam consideradas "gordinhas" tipo a Marilyn, sabe? É intrigante. Hoje em dia a beleza está nas magrelas, secas, arrisco até dizer raquíticas. Com o tempo esses tais "grandes" podem mudar a visão de beleza exterior, mas jamais conseguirão mudar a definição de beleza interior. É uma pena que nos tempos atuais a maioria das pessoas comprem o livro pela capa. Não é mesmo?

    Um beijo, Tamires.

    ResponderExcluir
  5. A personalidade é muito complexa e a beleza exterior é totalmente simplista. É mais fácil avaliar pelo lado de fora, pois assim não entramos na complicação de ter uma análise mais cuidadosa, pois os padrões já estão lançados e sendo assim, apenas precisamos (os preguiçosos) seguir de acordo com a demanda.
    Porém seria ditatorial exigir que todos olhem para o interior de alguém, talvez nem todos queiram ter esse trabalho e ficam satisfeitos apenas com o que veem por fora. Precisa haver um entendimento para que se quebre as barreiras, mas a maneira de ver o outro deve ser escolhida pelo próprio indivíduo.

    Belo texto!

    ResponderExcluir
  6. Texto brilhante, B.

    Pessoas felizes não dão lucro.

    E, exatamente por serem tão subjetivos, e com isso potencialmente inalcançáveis, os padrões estéticos acabam por ser um elemento perfeito para a reprodução do sistema.

    Teu texto me fez lembrar um que escrevi em 2010, que trata mais ou menos da mesma questão:http://dilemascotidianos.blogspot.com.br/2010/09/o-capitalismo-e-infelicidade-humana.html.

    É sempre um prazer muito grande ler os teus textos.

    Beijos.
    www.dilemascotidianos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Primeiramente, gostaria de parabenizá-la por esta crônica/resenha! Você estruturou os argumentos de forma invejável! Hoje mesmo, divaguei muito sobre a questão beleza física x beleza interior após ver uma resposta em forma de vídeo de uma garota gordinha em seu ask, na qual a mesma refletia sobre que as críticas destrutivas sobre sua aparência. Como você, ela mostrou desenvoltura e conteúdo na hora de debater a supervalorização dos esterótipos, evidenciando, mais uma vez, que a essência de uma pessoa às vezes é subestimada por terceiros que só veêm sua aparência...O que me anima, é descobrir pessoas como essa garota, ou você, ou uma parcela relativamente rara da sociedade que não parece alheia a essa manipulação comercial/midiática e abre espaço - além dos olhos - para a real beleza da humanidade: a interior.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Sabe? Eu sempre pensei exatamente a mesma coisa. E sou tão convicta de que a beleza externa não define o caráter de ninguém que sempre faço de TUDO pra ir contra a ditadura da beleza. Nunca, jamais e sob hipótese alguma eu compro uma roupa de marca. Não consigo dar mais que 50 reais em uma simples blusa. Não ando maquiada, na maioria das vezes saiu na rua sem nem mesmo pentear o cabelo, apenas o prendo e pronto. Isso não quer dizer que eu sou relaxada, pois adoro moda e de vez em quando acordo com vontade de me arrumar, me vestir bem e etc, mas pelo simples fato de me sentir bem, e não para mostrar ao mundo que eu estou desesperada para ser aceita dentro dos seus padrões de beleza. Pois eu tenho o meu próprio padrão de beleza, e esta é a inferior.

    www.annadecassia.com

    ResponderExcluir
  9. Muito bem escrito minha querida faço minha suas palavras:

    Sim, a beleza física é importante, mas afirmo que a personalidade de um ser, é infinitamente bela e complexa.

    ResponderExcluir
  10. Apesar de termos em vista que o interior é que define a real beleza - ou não - ainda assim somos quase que dominados pelo exterior, impelidos a algo puramente físico, na maior parte do tempo. Isso é terrível, mas faz parte da natureza humana. Porém o ser humano é racional e possui capacidade para não se deixar levar apenas por aparências e analisar as pessoas, conhecê-las antes de tudo e qualquer coisa.
    Mas... sabemos que não é assim na maior parte do tempo, né? Infelizmente.

    ResponderExcluir
  11. Acho que o ser humano está levando as aparências muito a sério, o ter é melhor do que o ser.
    Hoje nós só precisamos parecer ser alguém, nada mais.
    Mas por que acho que elas levam o exterior muito a sério?
    Aposto que se todo mundo risse da magreza das modelas ninguém se importaria de ser gordo ou magro.
    Enfim é o que acho.
    Um abraço B.

    ResponderExcluir