terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Vomitando angústias.



     Estou cansada. Cansada de tentar realizar algo útil e sempre cair nas teias dos meus defeitos. Eu pensei que seria diferente, mas era ilusão. Que não existem pessoas perfeitas, ah, isso eu já sei! No entanto, como lidar com esta angústia corrosiva? Como lidar com essa repulsa que as vezes tenho do meu próprio ser?
     Ando buscando alternativas. Ando buscando recuperar minha autoestima, meu amor próprio. Porém, parece que quanto mais eu busco aspectos positivos, a vida insiste em me mostrar o que é negativo aqui dentro. Tudo isso, me leva à extrema exaustão.
     No começo da minha adolescência sentia-me a dona da razão. Por um bom tempo, fiquei imersa em comportamentos como este. Até que, uma hora, a gente acaba percebendo que aquele defeito (ou erro) não está te levando a lugar nenhum. E decidimos apostar em uma transformação.
     Pois bem, eu pensei que estava conseguindo me transformar, só que não. No ápice de meus 18 anos de idade, pessoas que eu amo (e que só querem me ver bem, por isso me confrontam com a verdade), decidem abrir meus olhos, antes que seja tarde. Disseram que sou moralista. E então eu fiquei refletindo sobre aquele argumento que usaram.
     Cheguei a conclusão que por mais, que eu o faça sem intenção, infelizmente, eu o faço.
Antes eu era reclusa e guardava os ideais apenas em meu ego. Porém hoje eu me expresso demais, embora os meus discursos, na maioria das vezes, sejam conforme a realidade propõe, eu não tenho esse direito. Não tenho o direito de permear na vida de alguém (mesmo que sejam meus amigos e família) e dizer o que é certo e é errado. Eu reconheço.
     Ontem, quando deitei a cabeça no travesseiro, senti o gosto das lágrimas salgadas, como há muito, não acontecia. Chorei como criança e uma dor me invadiu. Sinto-me perdida, como se não soubesse que decisão tomar. Talvez eu teria que abrir mão do que construí em minha história e me reinventar em todos os aspectos.
     Enfim, apenas quero realizar o meu desejo. O desejo de deixar para trás esse falso moralismo, essa razão equivocada que me assola e me destroça.

9 comentários:

  1. Conheço bem esses sentimentos, mas só posso dizer que o tempo é o melhor dos remédios.
    Mudando totalmente de assunto, parabéns, você escreve muito bem, antes de ler o seu perfil, pensei até que era jornalista ou algo do tipo.
    Beijão
    Jack
    www.meucantinhos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Eu também to cansada, sabe?
    Às vezes a insatisfação é tanta que, me auto analisando, a unica utilidade que encontro pra minha existência é como peso de papel.
    Mas não desista, reinvente-se. Um dia você saberá exatamente como ser e o que fazer.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Conformismo é uma palavra que não deve habitar o dicionário de ninguém. :)

    ResponderExcluir
  4. Se expor a opiniões demais as vezes não é o que te fará melhor, quem ficará ao seu lado te respeita e não cospe "verdades" na sua cara, desculpa mas mesmo podendo ser apenas mais um falso moralista, não consigo creer que essas atitudes realmente são para ajudar alguém.
    Bjão Biia

    ResponderExcluir
  5. Confesso que sou um pouco moralista. Há um mês mais ou menos, minha mãe disse que vejo meus conselhos como verdade absoluta... Não os vejo assim, mas percebi que a forma como os expresso dá a entender isso. Sobre a reclusão e a exposição exagerada, também sei muito bem o que é, visto que passei por essa metamorfose de forma radical, e acabei falando pra muita gente coisas que deveria ter guardado para mim e para entes bem próximos... Entre estas (reclusão e exposição) devemos buscar o equilíbrio... Não podemos temer expor nossas ideias, mas precisamos fazê-lo no momento certo e de uma forma consciente e crítica, mas não ofensiva. Um bom argumento defendido de maneira cruel é tão construtivo quanto argumento nenhum. Espero, do fundo do meu coração, que você encontre o equilíbrio, que o futuro lhe traga dias melhores!

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. É bem isso mesmo Beatriz. Percebo na maneira como me expresso, mas não vejo meus conselhos como verdade absoluta. Você falou tudo. Belo comentário *-* Obrigada, pra você também.

      Excluir
  6. B., uma pessoa que escrever textos tão bons quanto os que tu escreves, não merece chorar.

    Se não consegues ver os teus aspectos bons, eu te digo alguns deles, só a título de exemplo: és muito talentosa e inteligente.

    Defeitos todos temos, e erros todos cometemos. Mas tens virtudes de um valor inestimável.

    Além disso, a vida me ensinou que, na dúvida, é sempre melhor se expressar. Considero pecar por excesso mais digno do que pecar por omissão. Não precisas te punir por isso.

    Espero que tu fiques bem. E continue escrevendo esses textos incríveis.

    Beijos.
    www.dilemascotidianos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Não existem verdades absolutas na sociedade, mas existem verdades absolutas dentro de nós, aquilo que acreditamos, aquilo pelo que batalharemos até o fim, aquilo pelo que consideramos que valha a pena.
    O moralismo não é um problema desde que não cuspa suas verdades em cima de alguém que não quer ouvir. Tenha em mente que o moralismo é seu e ninguém precisa se adequar ao que você pensa e/ou acredita.

    Eu por ex. odeio o conceito de moralismo e faço de tudo para fugir dessa moral que considero bastante duvidosa, mas isso é algo que mantenho pra mim.

    Continue refletindo e/ou divagando, o importante é pensar.

    Abraço!

    ResponderExcluir