segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Caminhos do regresso.

"Quem me dera ao menos uma vez, que o mais simples fosse visto como o mais importante, mas nos deram espelhos e vimos um mundo doente (...) Quem me dera ao menos uma vez, acreditar por um instante em tudo o que existe, acreditar que o mundo é perfeito, que todas as pessoas são felizes."
                                                                                      Legião Urbana - Índios



    A partir de especulações de que o fim do mundo será neste ano, digo: se o atual estágio não é o fim, temo o que ainda está por vir. Em tempos de globalização, eu acredito em regressão. Em tempos de evolução das tecnologias, eu acredito na auto-destruição de nossa espécie. Em tempos de um otimismo mecanicista, eu prefiro o pessimismo.
    A realidade ao nosso redor é definitivamente desastrosa. A cada segundo são noticiadas e/ou presenciadas cenas de desespero. Em meio a inúmeros assaltos, assassinatos, estupros, catástrofes, há aqueles que ganham prestígio como as bombas de Hiroshima e Nagazaki, as grandes Guerras Mundiais, os atentados terroristas e massacres. 
    Os meios de comunicação anunciam estes momentos, de forma a ficarem marcados em nossa história e ainda lançam aquela velha pergunta no ar 'Por que tudo isto está acontecendo?'. É engraçado que tais acontecimentos conseguem respaldo, perante uma sociedade a qual assiste passiva à sua queda. 
    O fato é que a partir de nossas ações seguem-se consequências e desde a primeira árvore cortada até a última morte sanguinária, somos declarados culpados. Culpa esta, que sempre é transferida para terceiros ou até mesmo, para o único "ser humano" praticante daquela atrocidade vigente. O ônus é alheio. É claro, não aguentamos o peso da culpabilidade e só nos atentaremos para isto, quando o dia derradeiro surgir.
    O caos que vivenciamos em pleno século XXI originou-se da perda de essência do homem. Sim, chegamos ao ponto de termos valores inversos e nem nos importarmos. Falamos em desumanidade.
    Se somos dotados de razão, o que nos diferencia dos animais, será que estamos usando-a de maneira adequada? Afirmo que não, pois tendemos ao retrocesso até o nosso fim. Ao meu ver, estamos presos em um buraco, do qual não podemos sair ou ao menos, nos mover. Estamos atolados na sujeira lamacenta criada por nós: 'os seres superiores'. 
    Aceitamos a violência, o preconceito, a corrupção... O que será o estopim? Estopim de uma guerra, guerra de egos. Como Thomas Hobbes relatou 'o homem nasce egoísta' e em um mundo impotente como este, o egoísmo tornou-se a faceta mor do ser humano. 
    Por fim, sinto que não existe frase mais sábia para terminar este desabafo, senão "O homem é lobo do próprio homem." Na luta de todos contra todos, estamos destinados a acabar em um mesmo lugar, cavando a nossa própria cova.

 Obs: Escrevi este texto, a partir de ideias soltas. Eram várias e distintas, por isso a falta de coesão.


5 comentários:

  1. Falta de coesão? Onde? rs
    Adoro tua criticidade, B. :)

    ResponderExcluir
  2. Caramba 'B'... o que dizer? Sabe, eu penso que, a vida é contínua. Acontecem as tragédias, os desesperos, os sofrimentos, as angustias, mas, a vida? Ela é contínua. Um cíclo.

    Eu digo, as vezes, é triste ver que tem tanta tragédia notíciada pelo jornal, ou mesmo alguém próximo do nosso circulo mais prócimo de amigos parte dessa p'ra melhor. Daí, uma semana depois, estamos nós, lendo, comendo, indo à festas, trabalhando, etç. Mas é que estamos vivendo...

    E a vida nunca será perfeita. Imagine um planeta inteiro então... Mas, sempre é bom a gente lembrar, que existem pessoas com caráter. Que existem aquelas pessoas que vão te dar a mão ou um abraço, sem cobrar nada em troca.

    É basicamente, p'ra gente pensar, que, para cada pessoa ruim e com maldade no coração, existem aquelas que te fazem sorrir. Existem aquelas pessoinhas que te amam incondicionalmente por mais que você cometa erros. E isso se expande para todo o nosso universo.

    Eu também acho simplesmente o fim, a sociedade e esse mundo nosso como estão hoje. Com valores invertidos para todos os lados. Onde é tão insensato que um carro de luxo possua um valor tão alto na moeda financeira do nosso país por exemplo, e em contrapartida, o que deveira ser sagrado e ter valor inestimável, é tratado como obsoleto como se nunca fosse acabar, e, que ainda por cima é desperdiçada e poluída: A água dos nossos rios, mares e oceanos.

    É a vida... mas nós podemos sim lutar, e o principal: - que não deixemos de acreditar que tudo pode melhorar, que não deixemos de sonhar, e nem de acreditar nos nossos sonhos, e nas únicas coisas que realmente temos, que são nossos sentimentos como seres humanos. Ablaço.

    ResponderExcluir
  3. B, não falta nada, vc relatou o q vivemos no momento. Sinceramente não creio na salvação humana. De toda a criação divina, nós somos a sua pior cria. Bjos.

    ResponderExcluir
  4. Penso exatamente igual a você. Simplesmente não consigo ver como a humanidade está destruindo o mundo, se auto destruindo... Por isso que eu visto camisas como a do socialismo, e várias pessoas me criticam por isso, mas eu não estou nem ai. Só não consigo concordar com esse mundo hipócrita e consumista, não consigo participar dele.

    annadecassia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Olá,
    Cheguei hiper atrasada, mas amei seu repertório.
    Tenha um ótimo final e semana.
    Beijos
    Jack
    www.meucantinhos.blogspot.com.

    ResponderExcluir