domingo, 18 de março de 2012

Velhas vidrarias.


       A luz da meia noite, entrava por entre frestas no telhado daquela casa antiga. Nos outros cômodos, o silêncio reinava, porém no sótão havia algo peculiar. Dentro de uma caixa, esquecido pelos antigos moradores, encontrou-se o homem de vidro. Remexendo devido ao frio, ele procurou  aquecer seu corpo com os retalhos que ainda sobravam.
       A escuridão era permanente, pois o casarão localizava-se em um beco sombrio da Avenida Paulista, onde quase nunca havia vestígios de claridade.
       Após anos de espera, finalmente naquela madrugada, havia uma fonte de energia. O vidreiro aproximou-se e quis subir aos céus, para buscar a lua e levá-la para a vida inteira.
       Não sentia há tempos. Segurou com força a válvula que bombeava seu sangue e indagou se aquilo era realidade ou sonho.
       De joelhos, uma lágrima venceu a sua frieza e tornou-se cristal ao cair. Um cristal que ao encontrar a superfície, se partiu em inúmeros cacos de vidro. A fraqueza retornou, quando ele menos esperava.
       Em sua memória, aquela frase simples lhe assombrava: ‘Deixe-o aí papai. Ele não serve de nada, não tem coração.’ Mal sabia ela, que o seu coração havia sido despedaçado, quando a ouviu. Mesmo com tamanha agonia, a lembrança da flor de vidro resistia em seu ser. Talvez fosse o único indício de vitalidade naquele pobre vidreiro.
       Depois deste dia, trancaram-no no porão. A solidão o acompanha e a loucura o invade. Embora queira sair, o homem de vidro acredita que ao deparar-se com o monstruoso mundo lá fora, a dor o consumirá. Por isso, tornou-se intacto, em meio às caixas vazias.



3 comentários:

  1. A sensibilidade e sutileza de suas palavras me deixaram realmente contente. Esse conto é uma ótima personificação da alma humana, quando muito magoada. Ficou incrivelmente lindo e verdadeiro. Nossa parte frágil é sempre trancafiada em algum lugar onde ninguém possa quebrá-la e de onde ela não poderá ter conhecimento completo de coisas que a possam ferir ainda mais e que possam assustar a um mundo de metal. Lindo, lindo, lindo. *-*
    Bjo!

    http://miasodre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Muito bacana o blog parabéns, estaria interessada em uma parceria de link? Me adc no msn nicolasmack_2010@hotmail.com ou deixe um comentário no meu blog: www.nicolasmack.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Lindo, meigo, sutil, doce, encantador. Um conto que prende do início ao fim.

    ResponderExcluir