sábado, 7 de dezembro de 2013

Apenas perguntas.

    
     Entre uma das indagações que mais me intriga está o mistério das palavras. Às vezes reflito sobre a situação que esteve por trás da palavra quando a mesma foi criada. Por que o homem atribuiu um significado àquela palavra? Por que não poderia ser diferente?
    Por que o céu é personificado como o lugar azul cheio de nuvens que se encontra acima de nós? Por que entendemos o sol como o grande astro amarelo? Por que visualizamos a folha de uma árvore como algo verde que dependemos para a sobrevivência?
    E então, é esta magia das palavras que me envolve.  Fico pensando como seria se não houvesse uma padronização para que todos nós entendêssemos os objetos do mundo com o "mesmo" significado (desconsiderando a parte subjetiva). Como seria se houvesse a livre interpretação em relação a cada objeto que nos é apresentado, sem que soubéssemos qual o seu nome ou o que ele significa?
    Como conseguimos organizar o nosso espaço tão grandioso como é, a partir da linguagem? Como o nosso cérebro é capaz de associar o símbolo com a linguagem? Isso seria possível, sem a aprendizagem desde pequenos?
    Será que somos o que somos, só por que os outros nos dizem, desde o nascimento? Será que somos independentes, que temos ideias à parte? Ou será que somos e nos formamos, apenas a partir do que ouvimos dos seres alheios? 
    Perguntas, que talvez jamais encontrarei a resposta, contudo que instigam o meu ser à buscá-las. Infindáveis perguntas, infinita linguagem. As palavras parecem nunca ter fim. Sempre há algo novo para se aprender, se descobrir. Neologismos e mais neologismos ainda estão por vir. 

7 comentários:

  1. Sempre há algo novo para se aprender e não importa o quanto já se viveu.
    Texto brilhante.

    ResponderExcluir
  2. Esses dias conversando com meu esposo disse quem tinha dado nome as estrelas e porque? É vdd nos faz pensar e muito...

    ResponderExcluir
  3. A palavra nunca nasceu, pois que é o reflexo do próprio homem quando este se viu imerso na realidade do mundo, ao atravessar o rio do tempo.

    ResponderExcluir
  4. Tente nunca perder essa vontade de questionar o que nos cerca. A vida, o cotidiano, a rotina e tudo mais irão forçar você a focar em objetivos materiais, e principalmente financeiro. Mas não perca o olhar critico sobre as coisas simples da vida.

    Gosto dessa musica: Palavra - O Teatro Mágico
    http://www.youtube.com/watch?v=Z59AhqGjvqg

    ResponderExcluir
  5. Seu blog foi eleito como um dos melhores de 2013 pelos seguidores do Café entre amigos.
    Parabéns pelas indicações, abaixo segue o link com os dados e o selo de reconhecimento.
    Parabéns seu blog é excelente.
    http://www.cafeentreamigos.com/2013/12/seguidores-do-cafe-entre-amigos-elegem.html

    ResponderExcluir
  6. É verdade, eu também paro pra pensar nestas mesmas questões, a linguagem, apesar de em idiomas diferentes significam as mesmas coisas, é impressionante parar pra pensar em como ocorreu esse processo de unificação, tantas pessoas, um mundo tão grande e a linguagem vem como um laço que unifica - de certo modo, todos nós.

    Isso é filosofia, realmente você abordou questões muito importantes no teu texto, gostei demais.

    Beijos!
    eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, amei esta publicação. adorei a criatividade escondida no simples. As questões expostas, são visíveis ao olhos de todos mas poucos vêm. resumidamente me senti tocado. As questões sempre terão respostas. Umas mais cedo que outras mas, terão sempre. sucessos pra ti. vlw

    ResponderExcluir