terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Desespera(dor)


         Nega-me o seu amor, nega-me a sua paixão e deixe-me acreditar que tudo o que vivemos foi em vão. Leva-me deste abismo, leva-me desta desunião, provocada por sua inútil acomodação. Siga-te enjaulada, apavorada e lembre-se de que logo te deixarei, desolada.             
         Continue com este jogo: chama-me a atenção, em troca do meu perdão. Não faça, não aja, perca-se em seus próprios medos. Já não há mais mágoas que caibam naquela velha gaveta onde eram guardadas, já não há mais lágrimas salgadas. Secaram, foram-se. Estou exausta, anestesiada, sem saber o que sentir ou fazer. Mas não, não serei como você quer, não me acostumarei a essa dor diária e muito menos viverei a esperar que um dia o meu sonho possa se concretizar. 
        Leva-me solidão, para um local seguro. Leva-me dessa escuridão de horrores. Leva-me, que já não suporto mais sentir tais dissabores. Frustra-me com o fim, mas deixe algo bom renascer em mim. Ainda há tempo, ainda posso cruzar com outros olhares. Um dia, talvez. Traga-me a paz e livra-me deste desespero.  

7 comentários:

  1. Muito forte, muito bonito e muito intenso, B.

    Beijos.
    www.dilemascotidianos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. "Ainda há tempo, ainda posso cruzar com outros olhares. Um dia, talvez."

    E a solidão abre espaço para uma futura esperança que já brota tímida em meio a um coração magoado e partido, mas ainda assim capaz de reconstruir-se, um dia, talvez.

    Beijos, B.

    eraoutravezamor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Texto muito bem escrito, com sentimento e jogos de palavras bem colocados, adorei, embora trate de perdas, dores, tristezas... já senti tudo isso mas hoje penso que nada como o tempo para reverter o sofrimento. Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Tão difícil falar da dor. Falamos e doemos . .E então cessamos um pouco e assim essa dor vai ficando menor.
    Gostei muito do seu texto. Me vi muito nele.

    ResponderExcluir
  5. Oi B.!
    Intenso e inspirador, mandou muito bem no jogo de palavras. Acho muito bacana essas prosas poéticas!
    Beijos

    ResponderExcluir