sábado, 9 de março de 2013

[Parte 2] Ghost City.


     Chegando ao seu destino, encontrou um velho baixo, negro e com uma enorme barba branca. Ele a avistou e disse:
     - Estava esperando por você, minha filha.
     - Mas, como? Eu nunca o vi antes e não contei a ninguém que viria – respondeu Rafaela, preocupada.
     - Há muito tempo, eu já te espero. Sente-se, preciso mostrar a sua missão.
     - Missão? - Perguntava, ainda mais assustada.
     O velho, pegou um mapa, no qual havia uma cidade em destaque. Localizava-se a 300 km do local. Apontou para o mapa e disse a Rafaela: - Filha, desde o seu nascimento existe um propósito para ti. A sua vinda ao mundo, renovou as esperanças das poucas pessoas que ainda vivem nessa pequena cidade: Ghost City. Seus avós morreram na luta pela salvação deles. Seus pais quiseram te manter longe deste assunto, por isso a deixaram. Mas você, pode escolher seguir o seu destino ou abrir mão dele...
    - E qual é o meu destino? - Interrompeu
    - Seu destino, é libertar aquela cidade dos fantasmas. Só você possui este dom. Só você pode enxergar além da realidade. No entanto, esta é uma missão complicada, que pode custar até mesmo a sua própria vida.
    Rafaela há muito, já não vivia. Sentia-se apenas mais um corpo que existia no espaço. Olhava para trás e desconhecia seu passado. Não encontrava nada que fora construído por ela. Não tinha família, namorado, amigos. Para ela, perder a vida, não seria um sacrifício, mas sim, uma oportunidade de realizar algo memorável em sua vida inútil.
    Logo respondeu: - É o meu desejo estar lá. Sinto como se algo ou alguém clamasse pela minha ida. Eu preciso. Diga-me o que devo fazer, senhor.
    - Percorra a estrada de chão até chegar a um vilarejo. Lá eles te informarão onde se encontra a entrada da cidade. Enviarei um espírito protetor para caminhar contigo. Ele te guiará pela escuridão.
    Rafaela saiu apressada, sem sequer lembrar-se de agradecer o velho. Passou em sua casa, arrumou algumas roupas em sua mala e pegou sua caixa sagrada. Antes de deixa-la, sua mãe, avisou que a filha abriria a caixa no momento certo. Rafaela atendeu ao pedido da mãe e deixou-a fechada durante todos os seus anos. Mas pressentiu que ia precisar do que estava dentro dela, durante a sua missão.


[Parte 1]

4 comentários:

  1. O q esconde essa caixa, hem, B. Curiosidades. Bjos.

    ResponderExcluir
  2. A tão esperada continuação *-* que feliz B. Sempre instigando curiosidade e estranheza essa Rafaela.

    p.s. eu te marquei em um selo literário no meu blog, se você não gostar dessas coisas tudo bem, só ignorar, mas caso se interesse é só dar uma olhada lá.

    ResponderExcluir
  3. Caramba! Que texto SHOW!
    Você como sempre impecável com as palavras.
    Eu sinceramente não aguentaria de curiosidade e abriria a caixa. Acho que isso mais ainda me fez admirá-la.
    A gente sempre admira o que não consegue ser.

    ResponderExcluir
  4. Oi B.!
    Olha, agora o negócio está ficando legal... já estou super curioso para saber o que vai rolar na sequencia...

    Beijos!

    ResponderExcluir