domingo, 10 de fevereiro de 2013

Porvir.

 
   Literalmente, o mundo dá voltas. E muitas voltas. Devido a este fato, é que digo: precisamos pensar na consequência de cada gesto ou palavra nossa. Uma hora podemos estar por cima, outra hora por baixo e é assim que caminha a humanidade. Todos os seres humanos possuem seus picos, ora estão altos, ora nem tanto. É inevitável, parece até uma lei que rege o universo.
   Devemos estar preparados para toda e qualquer situação imposta. Devemos colocar a cara a tapa, arriscar. Pois como dizia Heráclito, nós nunca nos banhamos duas vezes no mesmo rio. Nós sempre seremos diferentes, mutáveis.
   E quando a vida nos expõe a certos constrangimentos, logo perdemos o eixo. Enlouquecemos de medo, medo do que está por vir. Aliás, essa é uma expressão extremamente temerosa, pela maioria de nós, o ‘porvir’.
   A verdade é que estamos em um constante devir. A cada segundo algo é transformado em nós ou no próximo, e isso desencadeia uma série de reações, consequências. Na maioria das vezes, não temos jogo de cintura o suficiente, para aguentar as dobras da vida, sem nos abalar.
  Porém, após as quedas, aparece a calmaria para nos mostrar que a história se repetirá e que devemos estar prontos para esta repetição. É hora de reconhecer que cada detalhe desta imensidão  é um aprendizado. E são a partir destes aprendizados que conseguimos lidar com os nossos piores pesadelos.
  O ideal é manter-se equilibrado, manter-se na linha tênue dos supostos finais e dos prováveis recomeços.

7 comentários:

  1. B., a mutabilidade é o ingrediente fundamental para o nosso aprendizado. Bjos.

    ResponderExcluir
  2. O futuro é inseguro e nos deixa da mesma forma.
    O incerto sempre assusta. :~

    ResponderExcluir
  3. O fato de "nunca nos banharmos duas vezes no mesmo rio", me amedronta, sabe? Porque é bem verdade; 99% das vezes temos uma só chance diante de determinadas situações. Às vezes uma coisa acontece e a gente acha que não ta na hora certa, mas quando a hora chega, a "coisa" não torna a acontecer.
    A vida tem umas ciladas estranhas que estão acima da nossa compreensão.
    Bom texto!

    ResponderExcluir
  4. Heráclito curtiu isso!

    Brincadeirinhas à parte, mais um belíssimo texto, B. É exatamente isso que colocaste. Nos momentos bons temos que ter humildade o suficiente para saber que cairemos. E nos ruins, devemos ter esperança de que não há mal que para sempre perdure. Acima de tudo, o importante é crescer em todas as situações, e saber tirar lições nas horas ruins e nas boas.

    Um grande beijo.
    www.dilemascotidianos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. "[...] manter-se na linha tênue dos supostos finais e dos prováveis recomeços."
    Juro que é isso que mais procuro na minha vida. Pois quando não estou a utopizar ou negativisar meu futuro, fico nostalgiando ou remoendo os erros passados. No final das contas, o "porvir", bom ou ruim, está fora do nosso alcance o "devir" é algo que, queiramos nós ou não, ficou para trás.

    Adorei a crônica, a filosofia, as reflexões!

    Beijos ;*

    ResponderExcluir
  6. Adorei suas palavras. Devo dizer que concordo plenamente. Nós realmente precisamos aprender a conviver com esses momentos ruins, pois a vida é feita deles. Passamos por momentos assim para conseguir encontrar a paz. E assim se torna esse ciclo, que serve para nosso amadurecimento pessoal e para aprendermos a dar valor à felicidade.
    Um beijo, @pequenatiss.

    ResponderExcluir
  7. Em um mundo que gira muito rápido, manter-se equilibrado é questão de sobrevivência né.
    Adorei seu blog!
    =*

    ResponderExcluir