sábado, 28 de abril de 2012

Universo paralelo.





     Em um dia de extremo calor, o arqueólogo estava preparado e ansioso para a sua primeira expedição na caverna egípcia. Ao olhar lá embaixo, um receio lhe assolou e a falta de experiência causou-lhe calafrios.            
     Contudo, desceu aquela imensidão com os olhos fechados e as pernas trêmulas. Ao alcançar o solo, enxugou o rosto, livrando-se dos respingos de suor.
     Começou a andar por entre as rochas e a escavar alguns lugares rasos. Precisava encontrar indícios de que naquele lugar, existiam artefatos de um povo antigo. Para ele, era uma grande missão e mal sabia se sairia de lá vivo, afinal o risco de desmoronamento era grande.
     Seguiu a diante em seu trajeto e encontrou um sarcófago. O local estava fechado. Removeu a pedra que estava em cima e deparou-se com inúmeros escaravelhos. Sentiu arrepios, mas a sua coragem era maior. Mesmo temendo o que encontraria dentro do sarcófago, afastou a tampa e mirou atentamente. Encontrou uma múmia, aos retalhos. 
     Nos instantes em que ficou maravilhado com a descoberta, ouviu um grito na caverna e as ruínas começaram a desabar. Recolheu o brinco de ouro que ainda encontrava-se intacto e procurou a saída incessantemente, porém parecia estar em um labirinto.
     Uma rocha caiu em sua cabeça e o deixou desacordado. Quando se levantou, fraco e com sede, observou uma luz na lateral da caverna.
     Guiando-se pela luz, avistou uma porta, mas o seu tempo era escasso e havia obstáculos em sua frente. Abaixou-se e começou a se arrastar por baixo de uma armadilha. De repente, ouviu uma voz e algo lhe interrompeu.
     - Bruno saia desse quarto já e venha almoçar.
     - Por que toda vez ela tem que interromper minha missão antes do final tão esperado?
     Bruno recolheu os lençóis do quarto, arrumou sua cama que estava cheia de areia e retirou os arames farpados do chão.
     Sua mãe o indagou: O que você estava fazendo lá Bruninho? Há horas está trancado naquele quarto.
     - Vivendo o meu sonho mamãe. Ou melhor, tornando-o realidade.   

5 comentários:

  1. Os adultos vivem dizendo que a adolescência é um dos
    períodos mais marcantes da vida. Mais o que o adolescente pensa disso?
    (sinopse do blog)

    Se interessar, acesse meu blog,
    ( Blog de uma adolescente )
    http://blogdeumagarotaadolescente.blogspot.com/

    Desde já obrigada, agradeço.
    Beijos, boa semana.

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkk
    Sem graça vc hein, cortou a história justo quando esperava um final. Me identifiquei com o garotinho.

    ResponderExcluir
  3. Ótimo blog, ótima história!
    Estou seguindo, segui de volta?
    http://blogfapfap.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. AH BIA!
    Vai a merda poxa!
    Tava querendo saber qual o final e você vai lá e mata a história com a veia chamando o muleque sksksks...
    É, acho que no fim, nossos sonhos são desvendados em nossa cabeça mesmo, vivemos em absoluta discordância em nós mesmos.
    Quando não temos problemas, acabamos os inventando, meio que para dar um gosto em nossas vidas.
    MAS No fim, tudo o que queremos é realizar nossos sonhos, seja da maneira que for.
    Uma vez me disseram que se as coisas fossem fáceis, nada teria graça, confesso que foi difícil entender isso.
    Quanto mais luta, quanto mais suor, melhor será a recompensa.
    Uma vez recortei a palavra “desistir” do meu dicionário, e a partir desse dia, transformei aquela atitude em algo em minha vida.
    Augusto Cury escreveu um livro picudo intitulado como “Nunca Desista dos seus sonhos”...
    E é a verdade.
    Espero que você realize os seus, que é ajudar as pessoas em seu subconsciente, espero nada.
    Tenho certeza que você o fará.
    Grande Abraço
    Do seu amigo, Reinaldo.

    ResponderExcluir
  5. De uma simplicidade ímpar, a infância nos transporta para mundos impossíveis e nos dá um gostinho da aventura que é ser adulto. Bruno é feliz em sua bagunça. É mais feliz ainda em seu mundo de sonhos!

    Grande beijo
    http://senhor-do-tempo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir