quarta-feira, 25 de abril de 2012

Ilhada por ilusões.


       Os raios solares se esvaíam naquele fim de tarde vazio. Tão vazio, quanto à ampulheta que segurava em sua mão. A garota enchia os dedos de grãos de areia e desejava colocá-los ali dentro. No entanto, sua vontade era bloqueada pelo término do tempo. Era tarde, tarde demais. Passou-se o primeiro dia.
       Na manhã seguinte, lá estava ela mais uma vez. No mesmo lugar onde ficava, até o sol se pôr. Deitou na areia e mexeu os pés. Desejava esculpir um desenho, porém não foi bem sucedida. Levantou-se rapidamente e começou a modelar um castelo, lembrando-se dos seus tempos de infância. O vento soprou forte e desmoronou o que ela havia construído. Por um minuto, ela pensou em desistir. 
       Atônita e perdida, olhou para o vidro vazio que a levava para um mundo de ilusões. Começou a enchê-lo naquela praia deserta.
       Após alguns minutos, a ampulheta estava completa, contudo uma lacuna insistia em permanecer. Um espaço vago e impreenchível.
       Passada a madrugada, ela acordou do sonho e sentiu seus lábios ardendo como em brasa. Descobriu que ainda havia tempo.  Mergulhou no mar e deixou com que as ondas a levassem para uma ilha. Percorreu as pedras, até encontrar o que procurava incessantemente. Tocou nos cabelos de Gustavo e o acordou com um belo sorriso. Deu-lhe um beijo no rosto e o presenteou com a ampulheta. Sentia-se salva, mesmo que estivesse rodeada por uma imensidão aquática. 



7 comentários:

  1. Periga morrer de insolação. Se isso tudo já não for delírio de morte...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Talvez seja mesmo um delírio de morte, quem sabe. Depende do seu ponto de vista. Deixei o final bem subjetivo.

      Excluir
  2. Gostei. Como você disse acima "deixei um final nem subjetivo". Percebi isso lendo... Muito bom, você leva jeito! =D

    www.lalollita.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. primeiro vim agradecer pelo comentário em meu blog, agora o que falar sobre o seu texto? perfeito, adoro ler coisas que me fazem ter vários pensamentos, o mesmo texto pode falar diferentes coisas, tudo depende de quem ler e do estado de espirito que aquela pessoa se encontra! PARABÉNS!!

    ResponderExcluir
  4. POr mais q estejamos perdidos, há sempre algo q nos tras felicidade msm q essa seja apenas momentânea ainda é uma forma de vida, afinal não se vive triste.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. Ow gostei muito das postagens, bem criativas. Seu blog já está no meu favorito parabéns, grande abraço.
    Nova post lá no blog, passa lá.
    http://jpbigblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir