domingo, 26 de outubro de 2014

Doar-se ou doer-se?


      Nós quase sempre deixamos escapar pelas mãos, aquilo que nos faz pulsar o coração. Somos temerosos o suficiente para buscar o que queremos, inseguros o suficiente para lutar pelo que não temos, tolos o suficiente para esconder sentimentos e errantes o suficiente para abrir mão do que nos torna realmente humanos.
     Onde encontrar o amor? É uma de nossas primeiras indagações. Contudo, o mais adequado seria: “O que fazer para que o amor permaneça?”. Para encontrá-lo é uma luta, mas para mantê-lo é uma vida.
   Muitos se deparam com a palavra “amor” e são impedidos de entendê-la ou senti-la.   Poucos são os que se arriscam, com a cara a tapa, para ter esse prazer deslumbrante. Alguns falam, contudo não sabem o que dizem. Outros são incrédulos, talvez porque nunca tiveram o doce gosto de amar e ser amado.
    O amor dispensa apresentação, explicação ou significado. Pelo contrário, requer exclusivamente sentimentalismo. Afinal, de que adianta amar se não nos doarmos? De que adianta amar se não nos valorizarmos?
    Tal sentimento encontra-se vinculado à dor, não porque amar é sinônimo de sofrer, mas porque nós, imperfeitos como somos, acostumamos a optar pelo caminho menos danoso. Porém, quem garante que este caminho irá nos trazer a felicidade tão ansiada?
      Portanto, não sejamos incompetentes ao amar, mas sim corajosos e determinados o bastante para nos jogarmos nesse emaranhado de emoções. 

6 comentários:

  1. Sinceramente, acredito que ainda estejamos muito distantes do que realmente seja "amor"... Há sim, um bem querer, um prazer, um desejo...mas para amor mesmo, ainda falta muito.
    A gente inventa que dá pra separar o amor dentro da vida de relação, como se fosse uma parcela. Mas o amor não é a parcela da conta. O amor é o resultado da soma do respeito, do afeto, do desejo, da cumplicidade, da presença... e de tantas outras coisas. Por isso mesmo é que não é simples dar a face ao amor. É responsabilidade e compromisso, desde a busca, passando pelo encontro, até sua sustentação. E como você disse bem, é preciso ter competência, ser capaz de amar e também de ser amado.
    Grande reflexão a sua.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Oi B.
    O teu texto é muito significativo.
    Muitas vezes deixamos de ser felizes porque não acreditamos que podemos ser. Então, abdicamos da tentativa pelo risco ou medo de sofrer.
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Sempre há o risco de doer quando nos doamos.
    E o segredo da felicidade talvez esteja em se doar sem medo de doer.

    Adorei

    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Doar -se é uma opção e o ideal é que não esperemos nada de retorno!
    Mas sei que é muito difícil!
    vamos nos doar e não esperar nada, tudo acontece quando tem que acontecer!
    bjus e bom final de semana!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  5. Olá, B! Adorei o texto. Eu já encontrei o amor da minha vida e me jogo, sim, porque tenho certeza que é quem me faz feliz e quem quero fazer muito feliz. O importante nessa vida é abraçar a felicidade. Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Uau! Palmas, simplesmente espetacular.... Parabéns!

    http://menteaberttatextos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir