quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Superficialidade.


Pessoas rasas,
perdem suas asas.
Pelo medo de voar,
permanecem no mesmo lugar.

Cheias de superficialidade,
abusam da comodidade.
Não sentem de verdade,
mentem, na realidade.

Contrariam a profundidade,
negam a personalidade.
Recusam mergulhos fundos,
vivem perdidas no mundo.

Lançadas na vida,
não obtêm feridas.
Enraizadas na sorte,
aguardam a própria morte.

Emoções quase inexistentes,
o vazio sempre latente,
a falta de coragem,
e o caminho à margem.

6 comentários:

  1. Amei o texto!
    pessoas corajosas voam alto como as águias!
    Muitas vezes queremos voar, mas estamos impedidos, com as asas cortadas, mas tudo é uma questão de tempo, e no tempo certo e na hora certa, daremos um voo gigantesco e a humanidade se assustará!
    bjus e bom final de semana!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  2. Pessoas vazias são como folhas soltas de uma árvore de emoções. Voam sob efeito de um mínimo sopro. Porque lhes falta peso, conteúdo ou mesmo a segurança de um galho preso a milhares de outras preso a um tronco enraizado.

    Beijos B.
    Adoro seus textos. Belo poema.

    ResponderExcluir
  3. Pessoas que passam pela vida sem vivê-la de fato. De que vale? É preciso se permitir, correr riscos, se aventurar e voar alto. Adorei o poema, de verdade.

    Estava com saudades de vir aqui, minha vida sem internet não foi fácil.

    Abração, B.

    coracaoaflordapele.blogspot.com (o blog agora mudou)

    ResponderExcluir
  4. hummmm que poetiza magnífica.

    A Mayra falou tudo e depois somos fantoches de nós mesmos.

    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Bela poética!
    Expressiva, verdadeira!
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Em resposta a seu comentário rsss
    Eu também gosto de me arriscas em linhas poéticas, mas não é a minha praia apesar de eu ter tirado segundo lugar em um concurso de um blogue.
    Bjs

    ResponderExcluir