domingo, 28 de janeiro de 2018

Amar: exercício diário.


Sempre ouvimos falar de amor desde muito cedo na infância até a vida adulta. O discurso costuma ser movido pela ideia fantasiosa de que tal sentimento está inteiramente ligado à felicidade, de maneira simples. O fato é que, à medida que amadurecemos, nossa percepção sobre o amor é alterada, ora por decepções, ora pelo próprio crescimento do ser. Há aqueles que nunca vivenciaram a essência do que é amar, há aqueles que perdem a esperança no amor após experimentarem a frustração e há aqueles que vivem buscando ressignificar o sentido desta palavra. Pois bem, faço parte deste último grupo.
Amar é difícil. Sim, difícil. É dispendioso, e, por vezes, até doloroso. Discordo daqueles que acreditam na frase “o amor não machuca”. Pode machucar sim, pode abrir feridas, porque, afinal, somos humanos e, consequentemente, falhos. Erramos assim como o outro também erra conosco. Cabe a cada um examinar o seu interior e analisar se é possível perdoar ou não. Não adianta dizer que perdoamos quando aquela dor se torna latente e está sempre presente, ou quando nos sentimos obrigados a perdoar, ou quando colocamos os desejos do outro acima dos nossos.
Amar é uma via de mão dupla, é quando ambos os lados cedem, crescem e se ajustam um ao outro de forma conjunta. É quando aquele defeito que tanto nos incomoda no outro se torna pequeno, porque você conseguirá lidar com ele de forma saudável e vice-versa. Amar é planejar, construir sonhos juntos e concretizá-los. Amar é doar-se na medida certa. Amar é estar disposto a encontrar a saída de um labirinto frente às dificuldades ao lado de quem se ama. Amar é estar presente em qualquer circunstância. Amar é ter empatia, é saber compreender, ouvir, conversar, entender. Amar não é sinônimo de felicidade plena, mas sim, de diversidade e de aprendizado. Amar é conseguir o equilíbrio com o seu parceiro. Amar é manter uma relação tranquila, é não se sentir sobrecarregado por estar com aquela pessoa. Amar não é tentar mudar o outro, é despertar nele o desejo de mudança para manterem uma relação benéfica. Amar custa energia. Amar é trabalho diário, desde pequenas a grandes ações. Amar é se reconstruir com o outro todos os dias. Amar é também ter amor próprio e saber a hora de utilizá-lo na relação. Amar é ser forte, é estar disposto a vencer um leão por dia. Amar é para aqueles que gostam de lutar, que se deliciam pelos desafios de um relacionamento amoroso, de estar com um outro tão diferente de você e encontrar formas de aceitar o que for aceitável, de abraçar a sua história e de apoiar nas alterações que são necessárias. Amar é levantar um edifício a dois, é exercício diário.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário