sábado, 5 de julho de 2014

Impulso corajoso.


   Veja as suas cicatrizes, menina! Como pode suportá-las? Como pode deixa-las sangrar novamente?
   Olhe-se no espelho e me diga o que vês! Não consegue ver nada, certo? Tola! Ainda fico me perguntando porquê você insiste nesse masoquismo patético.
   Não há mais opções, é o fim. Seja mulher e apenas aceite! Aceite o que a vida ainda pode lhe oferecer.
   Pare, pense, há muito o que se viver. Por que ainda insistir em alguém que nunca será seu? Não, isso não é amor. Pode ser tudo, menos amor. Amor que é amor, não traz sofrimento assim, não te leva ao fundo do poço.
   Coragem minha garota, coragem! Sei que essa força está aí dentro, em algum lugar...
Você não merece passar por tamanha dor, não merece dormir com o travesseiro molhado todos os dias, não merece negar-se sorrisos.
   Saia do comodismo, deixe-o para trás! Somente faça, aja, liberte-se!




5 comentários:

  1. Oi, B. O texto enche de coragem alguém que não está conseguindo superar uma perda. Penso que esse tempo de recolhimento e dor existe, mas é preciso também permitir que ele passe. Tão bem escrito quando diz que a força está "aí dentro"...sempre está, só não é fácil enxergar em momentos de dor. Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. Tem gente que pára no espinho e culpa a flor. Tem gente que, ao invés de sentir a flor, prefere tocar os espinhos. Amor é muito mais do que algo que só espeta. Está no topo, fragrante... Se dói, é porque nos machucamos sozinhos.

    Beijo B.

    ResponderExcluir
  3. É verdade...o verdadeiro amor não nos faz sofrer, não nos sufoca, não nos anula, só nos faz crescer, mas é pena, pois só conseguimos ver dessa forma quando estamos mais maduros, com mais experiência e depois de termos sofrido muito, chorado muito também!
    Viva!
    http://www.elianedelacerda.com

    ResponderExcluir
  4. Bonito texto. Infelizmente existem pessoas que vejam alegria no sofrimento. Essa forma de vida para elas é confortável. Mas o segredo é esse que está no texto: LIBERTE-SE!

    ResponderExcluir
  5. Libertar-se depende apenas de nós, mas muitas vezes não queremos,
    Bjs

    ResponderExcluir