terça-feira, 6 de dezembro de 2011



         Saudades da minha infância nostálgica, onde eu era apenas uma garotinha, presa ao colo dos meus pais, recebendo proteção de toda e qualquer ameaça. Saudades de um tempo em que eu não precisava de lutar contra a voracidade imposta pelo mundo. Saudades de um tempo, em que eu não precisava arriscar, nem tomar decisões, pensando nas conseqüências. Cresci, amadureci, sou apenas mais uma mulher, a qual a sociedade exige muito mais do que posso oferecer. Não mudarei meus pensamentos, nem desviarei minha índole, devido às regras que movem as pessoas. Sou diferente, quero fazer a diferença. Afinal, que graça teria a vida, se não existissem pessoas que fogem do padrão? Que graça teria a vida, se todos fôssemos iguais? 

5 comentários:

  1. Talvez vc não mude o mundo inteiro ainda, mas com certeza está mudando o mundo de cada pessoa q está ao seu lado e, principalmente, mudando o mundo das pessoas q te amam e querem o seu bem.
    Bjão minha baxinha.

    ResponderExcluir
  2. Pois é: "Que graça teria a vida, se todos fôssemos iguais".

    O dia que o ser humano entender esta frase, ai sim teremos uma sociedade evoluída.


    http://1001IdeiasParaEnriquecer.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Esse texto tem elementos da segunda geração romântica do Romantismo,pois parece poesias que Alvares de Azevedo citava, quando ele tinha saudades da infância.Posso ver que no final, tem o realismo em si, quando vc diz e "graça teria a vida, se todos fôssemos iguais"? .

    Muito bom o texto. Seguindo!

    http://mundodorrx2r4r.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Muito bom o texto. Até me identifiquei nele.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  5. ... mas tb temos que ser naturais e sinceros com quem somos, e não forçar diferenças, pois temos que lembrar também de nossas semelhanças!!

    ResponderExcluir